Câmara e UFPR se reúnem para convênios de capacitação técnica

A Mesa da Câmara Municipal de Curitiba (CMC) se reuniu com o reitor da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Ricardo Marcelo Fonseca, para dialogar sobre possíveis convênios de cooperação para capacitação técnica de vereadores, servidores e da sociedade. Participaram do encontro, na manhã desta quinta-feira (2), o presidente da CMC, Tico Kuzma (Pros), o vice-presidente Alexandre Leprevost (SD), a segunda-secretária Professora Josete (PT) e o gestor da Escola do Legislativo, Carlos Barbosa.

Kuzma ressaltou a iniciativa da atual gestão de aproximar o Poder Público da sociedade. “Um dos pilares que temos nessa gestão é fortalecer a Escola para capacitar ainda mais os servidores e vereadores. Queremos a Escola fazendo um elo entre o Legislativo e os cidadãos curitibanos”, afirmou.

Professora Josete, vereadora da Mesa responsável pela Escola do Legislativo, apontou que a Escola será um dos legados desta gestão. “A questão central é fortalecer a Câmara como instituição, que as cidadãs e os cidadãos se sintam representados por nós, mas precisamos buscar a comunidade, precisamos abrir as portas à comunidade. E para isso, precisamos colocar a Escola em prática e mudar a cultura dela”, disse.

“Percebemos hoje que a população está resistente ao meio político, então temos um trabalho a fazer com a Escola do Legislativo. É um privilégio participar desse projeto, que busca capacitar as pessoas para oferecer um serviço de mais qualidade ainda. E o diálogo com a sociedade é fundamental como pilar da democracia. Minha função na Mesa é trazer modernidade e inovação. E vamos continuar fazendo isso”, complementou Alexandre Leprevost.

“É um privilégio participar desse objetivo da Escola do Legislativo e a gente vem percebendo bons frutos, porque tem a função de capacitar cada vez mais os servidores e também levar conhecimento à população”.

Carlo Barbosa destacou algumas atividades da Escola do Legislativo e ressaltou a importância da consolidação do órgão. “Esse momento da sociedade brasileira é muito difícil, é de crise, mas também é um momento de oportunidade. Lembro que houve um ciclo de conferências, em 2016, sobre a memória política de Curitiba. Uma menina disse que nunca esteve no plenário da Câmara Municipal de Curitiba, que é a primeira instituição de Curitiba, e que aqui dialoga com a UFPR, que é a primeira universidade do Brasil”, apontou. 

“A universidade estará junto com vocês no que precisarem. A nossa função, como universidade, é estabelecer pontes. Nesse momento de crise, um dos antídotos principais é comunicar, sair para fora dos nossos muros. E quando a articulação é com o Poder Público é melhor ainda”, disse Ricardo Marcelo. “O que a gente sabe é que a universidade tem todas as competências para ajudar. Seja do ponto de vista da política, das ciências, da história, do direito e em todas as outras coisas que possam subsidiar a Câmara Municipal nas políticas públicas, podendo ser também na Saúde e na Educação”, complementou.

Vacina da UFPR
O presidente Tico Kuzma aproveitou a oportunidade para tratar da pesquisa que a UFPR desenvolve para a vacina contra a covid-19. “Queremos levar mais benefícios ainda à população. Parabenizando pelo desenvolvimento da pesquisa da vacina, queremos saber as novidades e, principalmente, de que forma podemos auxiliar a universidade”, questionou Kuzma.

“Imaginamos que até o fim do ano terminaremos as fases pré-clínicas, a fase de testes em animais. Tudo é muito regrado. Estamos em contato direto com a Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] para depois submeter o pedido e começar os testes em humanos”, revelou o reitor. Segundo ele, são necessários mais investimentos na universidade. “Precisaremos buscar investimentos de preferência do Estado do Paraná, para ser uma espécie de Fiocruz paranaense. A vantagem da nossa vacina é ser mais barata e tem insumos nacionais”, destacou.

Ricardo Marcelo lembrou que mesmo com os avanços da vacinação, é importante concluir os estudos dessa vacina. “Vamos precisar da vacina contra a covid, provavelmente, por muitos anos ainda. E essa tecnologia pode ser usada para combater outras doenças, como chikungunya, zika etc. Então a ideia é criar um laboratório que hoje não existe no Paraná. O financiamento para as fases clínicas está aberto, porque abrimos uma campanha pública. Está tímida, arrecadamos um pouco mais de 100 mil reais”, lembrou.

Gostou do conteúdo? Então compartilhe em suas mídias sociais!

WhatsApp
Facebook
Twitter
E-mail

Receba notícias no seu e-mail

Assine a newsletter e fique por dentro
do meu trabalho como vereador.